A PRIMEIRA TESE ERRÔNEA...

Para ampliar clik na imagem

1. A GRANDE TRIBULAÇÃO SERÁ SOMENTE DE SETE ANOS?

Não, os estudiosos pré e mid-tribulacionistas, ensinam erroneamente que a grande tribulação será um período de apenas “SETE ANOS,” baseando-se somente na última semana de Daniel (Dn. 9:24). Mas esses sete anos, em momento algum são mencionados na Bíblia como sendo “o tempo total da grande tribulação;” antes sim, eles se referem apenas, aos dois períodos de perseguição das duas bestas ao povo de Deus em todo o mundo (gentios e israelitas), que acontecerá dentro da G.T. ensinado anteriormente por Daniel:  “Setenta semanas estão determinadas sobre o teu povo...” Dn. 9:27.

E é também, o mesmo tempo ensinado por João no Apocalipse dos períodos do 3º e do 4º Selo (Ap. 13:1 - 18), que se cumprirão dentro da grande tribulação.

OUTROS ERROS DE INTERPRETAÇÃO DOS PRÉ E DOS MID
Ao interpretar que a G.T será um tempo de apenas “sete anos”, os pré e os mid-tribulacionistas,   acabam ignorando o princípio de dores de (Mt. 24:7-8), pregado por Jesus, que será um tempo “ANTES” dos sete anos das duas bestas; e também ignoram “o período da ira do Cordeiro” (Ap. 6:12-17 cap. 8:1...), que vem “DEPOIS” dos sete anos, desprezando o que disse Paulo:
“Não desprezeis as profecias.” I Ts. 5:20

O TEMPO TOTAL DA GRANDE TRIBULAÇÃO
Contando a previsão Bíblica de duração do princípio de dores (a terceira guerra mundial); mais os períodos das duas bestas, que é de “sete anos,” e mais duas mil e trezentas tardes e manhãs (Dn. 8:14), do período da ira do Cordeiro (a purificação do santuário Dn. 8:14 – Ml. 3:2-3), que representam no nosso calendário, 6 anos, 3 meses e vinte dias literais), teremos a soma total destes quatro períodos, um tempo aproximado de “21 anos de grande tribulação.”

Aliás, na parábola das dez virgens, as cinco néscias também estavam preparadas, a exemplo das cinco prudentes, em “TUDO”; menos “NA RESERVA DO AZEITE”. Em razão disso, não suportaram A DEMORA do esposo.
“E as loucas disseram às prudentes: Dai-nos do vosso azeite, porque as nossas lâmpadas se apagam.” Mt. 25:8

Na verdade, se fosse para a Igreja cumprir, todo o período figurativo tribulacional de Israel no deserto, a grande tribulação deveria ser também, os mesmos 40 anos ou mais. No entanto por amor da Sua Igreja, Jesus abreviou esse tempo, em pouco mais da metade de uma geração bíblica; cerca de “21 anos.”
“E, se aqueles dias não fossem abreviados, nenhuma carne se salvaria; mas por causa dos escolhidos serão abreviados aqueles dias.” Mt. 24:22

“Em verdade vos digo que não passará esta geração sem que todas estas coisas aconteçam. (do princípio de dores até a B. do Armagedom). Mt. 24:34

Este último verso, põe por terra a pregação errônea dos Adventista do Sétimo Dia, e de muitas outras seitas, que ensinam que as setenta semanas de Daniel, já foram cumpridas no passado.

OS QUATRO PERÍODOS DA GRANDE TRIBULAÇÃO
Boa parte dos pregadores da grande tribulação baseiam sua mensagem, somente nos Evangelhos de Mateus, Marcos e Lucas, e desprezam as bases bíblicas do A.T. com isso erram em parte as suas previsões; pois o próprio Jesus não revelou aos seus discípulos, todos os períodos tribulacionais, nos seus quatro Evangelhos.
Por exemplo: Ele reservou de tecer comentário sobre o “quarto” e último período da grande tribulação: “A ira do Cordeiro,” por causa de no mínimo três razões obvias:
1). Os discípulos não poderiam suportar, naquela hora. Jo. 16:12
2). A revelação total dos acontecimentos vindouros, não era para aquela geração de Cristãos. At. 1:7
3). O Senhor manifestaria essa revelação, após sua morte e ressurreição, no Ministério do Espírito Santo (Jo. 16:13), depois da elaboração do livro do Apocalipse (Ap. 22:6-7), e somente para a Igreja dos últimos dias. Jr. 23:20

OS TRÊS LIVROS CHAVES, DO APOCALIPSE
A Bíblia apresenta os três principais livros proféticos, que revelam toda a coluna dorsal do Apocalipse (começo, meio e fim), dentro da mesma seqüência: Gênesis, Daniel e o Apocalipse.
Estes três nos revelam que, a grande tribulação é formada por um conjunto de “QUATRO PERÍODOS” distintos de tempos, de uma aflição tal qual nunca houve desde o princípio da criação até agora, e nem jamais haverá (Dn. 12:1 - Mt. 24:21 - Mc. 13:19 - Lc. 21:10-28).

O 1º PERÍODO: Inicia na abertura do 2º SELO (Ap. 6:3-4), com o princípio de dores ou “3ª Guerra Mundial.” Mt. 24:7-8

O 2º PERÍODO: Inicia na abertura do 3º SELO (Ap. 6:5-6), com a manifestação da “1ª besta.” Mt. 24:9-13 - Ap. 13:1-10

O 3º PERÍODO: Inicia na abertura do 4º SELO (Ap. 6:7-8), com manifestação da “2ª besta - anti-cristo.” Mt. 24:15 - Ap. 13:11-18

O 4º PERÍODO: Inicia na abertura do 6º SELO (Ap, 6:12-17), com a vinda de Jesus (Mt. 24:29-30); e a “ira do Cordeiro, no 7º SELO, com as pragas do Apocalipse.” Ap. 8:1...

NOTA: O período do 5º SELO, não acontecerá na terra, mas no céu (Ap. 6:9-11).

Conforme o leitor examinou, estes dois grupos tropeçaram feio neste primeiro tema; pois, uma previsão equivocada de “sete anos para a grande tribulação,” é superficial, aquém da realidade profética, e constitui-se assim, na:
PRIMEIRA TESE ERRÔNEA DO SISTEMA TEOLÓGICO, PRÉ E MI-TRIBULACIONISTAS.

PARA REFLETIR
A escola teológica que não conhece a grande tribulação na sua totalidade poderá ensinar a vinda de Jesus e o arrebatamento, com precisão Bíblica???
“E Jesus, respondendo disse-lhes: Acautelai-vos que ninguém vos engane.” Mt. 24:4

Jaime e Julio

Próxima página:
A SEGUNDA TESE ERRÔNEA DA TEOLOGIA 

Nenhum comentário: